"O MAIOR ACERVO DA INTERNET DE FICHAS TÉCNICAS DE CAMPEONATOS NO BRASIL"
Veja o indíce dos Campeonatos clicando em http://indiceblogdomarcao.blogspot.com/
atualizado até dezembro de 2010

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

São Paulo FC ajuda o Santos FC a reconstruir sua história

Do site Arquibancada Tricolor:


Troféus dos Mundiais do Santos desapareceram
Os que estão expostos no Memorial das Conquistas, na Vila, são réplicas de uma taça cedida pelo São Paulo

Construído em 2003, o Memorial das Conquistas na Vila Belmiro exibe as glórias do Santos. Em lugar de destaque, estão os troféus dos títulos mundiais de 1962 e 1963. Daqui a menos de dois meses, o Peixe terá a chance de colocar o terceiro exemplar na galeria. Desta vez, um original. Funcionários, conselheiros e ex-dirigentes garantem que as taças em exposição hoje são réplicas.

As recebidas há quase 50 anos desapareceram e ninguém sabe onde estão. “É uma história muito bem guardada até hoje porque é vexatório que os troféus tenham sumido. São quase idênticos aos originais. Quase. Se você reparar bem, não são iguais”, confessou ao DIÁRIO um funcionário de longa data na Vila Belmiro.

Tal fato remete à Jules Rimet, taça do tricampeonato mundial da seleção brasileira (1958, 1962 e 1970) que foi furtada e derretida na década de 80. A diferença básica é que ninguém sabe o destino das do Santos.

“As taças sumiram. Não dá para dizer que é culpa do Marcelo Teixeira (presidente à época da descoberta), nem de ninguém, porque não se sabe quando isso aconteceu. Não se pode colocar responsabilidade em ninguém sem saber o real paradeiro”, diz José Carlos Peres, conselheiro do Peixe, ex-superintendente na época em que Teixeira foi o mandatário e fundador da ONG Santos Vivo.

A “perda” foi percebida no momento em que os troféus deveriam ter sido transferidos para o Memorial das Conquistas. “Mais coisas se perderam, mas as lembranças das vitórias sobre Benfica (1962) e Milan (1963) foram as mais relevantes”, observa o funcionário, que deu a entrevista na condição de ser mantido no anonimato.

Ajuda rival/ Atordoada com a descoberta, a diretoria buscou solução para evitar que a torcida, associados e grande parte do Conselho Deliberativo soubessem. A ajuda veio do São Paulo. Mediante seguro, o hoje diretor de relações internacionais, Carlos Caboclo, conseguiu fazer com que o clube do Morumbi cedesse um dos seus troféus para o Santos fazer as réplicas. Pelo custo de R$ 10 mil cada, o Peixe encomendou duas em loja na região da Rebouças, na capital, e as colocou no Memorial das Conquistas.

As diferenças estão nas bolas colocadas no topo das taças. Os troféus exibidos com orgulho pela geração de Pelé tinham listras gravadas verticalmente nas laterais das pelotas. As que o Santos exibe atualmente, no Memorial, são horizontais. Exatamente como as do São Paulo. Outros detalhes no ângulo em que a bola está colocada na parte superior também são diversos do modelo original. O DIÁRIO tentou, mas não conseguiu contato com Carlos Caboclo.

Em dezembro, o Santos vai em busca de outro título histórico. A torcida é para que o Alvinegro volte com mais um Mundial. E que, desta vez, saiba cuidar melhor de sua espetacular história, construída em quase cem anos de glórias.

Ex-presidente acredita que taças podem ter ido para o lixo
Marcelo Teixeira estava em seu segundo ano de mandato, em 2001, quando descobriu que faltavam na galeria do Santos os troféus das maiores conquistas do clube. Ao pedir levantamento de todas as taças, durante processo de informatização, sentiu falta das dos dois Mundiais.

Surpreso, garante ter ido atrás de informações com funcionários antigos, ex-jogadores e ex-presidentes. “Todos diziam que as taças vieram para Santos quando foram conquistadas, que foram levadas para a prefeitura e depois para a Vila. Só que ninguém sabia o que tinha acontecido depois”, relata o ex-dirigente, mandatário de 2000 a 2009.

Apesar disso, Teixeira não acredita que os troféus foram roubados. Ele acha mais provável terem sido perdidos ou até ido para o lixo. “Embaixo de uma das arquibancadas (na parte interna do clube), havia um monte de troféus com teias de aranha e até um rolo de filme com imagens da construção da Vila Belmiro. Mas nenhuma taça era do Mundial”, lembra-se. “Pedimos a do São Paulo como referência. Contratei uma empresa especializada em transporte de valores. Foi um grande esquema de segurança. Já imaginou a repercussão se some a taça do São Paulo?”

Só mais uma prova de como a história do clube não era preservada: um outro ex-funcionário do Peixe à época conta que o primeiro grande troféu do clube, o do Paulista de 1935, também foi encontrado em um desses cômodos abaixo da arquibancada. Isso, dois anos após a inauguração do Memorial das Conquistas.

O atual presidente, Luis Alvaro Ribeiro, não sabia que as taças de 62 e 63 eram réplicas. Ele vai averiguar a situação e se pronunciar a partir desta quarta-feira, segundo sua assessoria de imprensa.

Entrevista
Denise Covas - Ex-coordenadora do Memorial
'Nunca vão saber onde esses troféus foram parar'

DIÁRIO_ Qual foi sua reação ao saber que não havia troféus dos dois Mundiais?
DENISE COVAS_ Eu fiquei chocada, todos lamentamos. Sumiram os dois troféus mais importantes que um clube pode ter. De qualquer forma, a gente conseguiu resolver.

Com a ajuda do São Paulo...
Sim, conversamos com a diretoria do São Paulo e fizemos tudo sem problemas. As taças ficaram exatamente iguais.

Mas não são idênticas. Há detalhes diferentes.
Sim, as conquistas do São Paulo (1992/1993) foram bem depois das do Santos (1962/1963). Mas é a réplica mais próxima possível. Antes, havia outra réplica da taça do Mundial, mas não era muito parecida. E era só uma, não me lembro do ano.

Então, alguém sabia antes que as originais haviam sumido?
Eu não sei direito, era um troféu que remetia ao Mundial, mas não sei quando o fizeram. Só tinha um.

O que você acha que aconteceu com as taças originais?
Eu não sei. Nunca vão saber onde elas foram parar porque, infelizmente, não havia registros nas décadas de 60, 70, 80 e 90. Não tinha essa preocupação com a preservação histórica. Isso é coisa muito recente.

Você ou alguém da diretoria chegou a procurar dirigentes de gestões anteriores à de Marcelo Teixeira?
Tinha muita gente que passou pelo Santos na época em que o time ganhou os títulos, mas não tínhamos os contatos de todos. Alguns faleceram. Dos que encontramos, ninguém sabia o destino das taças.

Fonte: Diário de SP

2 comentários:

Títulos Santos Futebol Clube disse...

os titulos do santos futebol clube são parte do futebol brasileiro e merecem todo o nosso respeito e admiração.
espero que 2013 seja ainda melhor!

Marcos c.s. nascimento disse...

É importante que se preserve a memória de nossos clubes !